Música K-POP: Nova moda?


A música realmente move o mundo. Ela vem ao longo dos séculos tornando as pessoas mais sensíveis, independente do estilo musical e da época. Fazendo pessoas se mexerem mais, dançarem, conhecerem as outras, enfim, a música sempre foi um meio de globalização incrível. As músicas indianas podem fazer sucesso em algumas casas brasileiras, assim como os chineses podem ouvir samba em uma roda de amigos.
Eu, por exemplo, não gosto de música brasileira, prefiro as músicas estrangeiras, tanto que minhas bandas e cantores favoritos são de vários países diversificados. Mas, uma coisa que realmente vem ganhando muito espaço no mundo é a música KPOP, que me conquistou um pouco e sei que vem fazendo membros de carteirinha de Matsuris aqui em Curitiba soltarem gritos e vestirem cosplays das boybands and girlbands favoritas. Saindo do estilo americanizado de banda de garotos ou garotas, as bandas asiáticas tem um estilo diferente, seja pela dança coreografada ou pelo ritmo da música bastante diversificado. Quem não lembra da dança mundialmente famosa e que tirou do trono astros da música americana da lista dos melhores?! É essa mesma que você está pensando, Gangnam Style! Esta foi, com certeza, a porta de entrada para que milhares de pessoas, de todas as idades, entrassem para a legião de fãs que amam a música coreana. Mas, você realmente sabe o que é K-POP? Se não, vai descobrir já! Encontrei um canal no Youtube, recomendado por uma amiga, que vai tirar toooooodas as suas dúvidas. Primeiro, vamos à pergunta mais simples: O que é KPOP?

Ficou interessado? Para se apaixonar de vez, confira 10 músicas que você NÃO PODE deixar de ouvir.  Além de serem perfeitas para se apaixonar pelo estilo musical, ainda tornam você um pouco mais esperto para falar com outra pessoa sobre o assunto!
E aí, gostaram? Beijos, e até outro post!

Anúncios

Resenha: A Maldição da Moleira – Índigo

Oi pessoal, beleza?

Peguei este livro na biblioteca na sexta-feira, (dia 24), pois estava com um pouco de pressa, queria ler alguma coisa, e ele foi o que mais me chamou atenção. O livro se chama a Maldição da Moleira, e trata-se de uma história baseada em um bebê, que teve sua moleira cutucada pela avó quando era recém-nascido, e começou a ver o mundo de forma diferente, começou a filosofar, refletir, criticar e interagir com o que estava ao seu redor. Foi uma leitura bastante divertida.



Achei a história muito interessante e simples de se ler, nada complexo, o que não proporcionou uma leitura difícil, e haviam várias ilustrações (de Alê Abreu) que faziam o livro além de engraçado, fofo. O personagem que narrava a história era o bebê, chamado Heitor, e ele vivia de uma forma bastante agitada, interagindo com outros bebês e aprendendo a lidar com sua ‘ignorância’ falsa de recém-nascido, pois ele não poderia expor que entendia o que as pessoas falavam ou colocaria tudo a perder. 

 A única coisa que eu realmente senti falta foi de uma trama, pois tudo era simples demais, até. O personagem ia vivendo, sem um plano, sem nada. Acho que, se a escritora adquirisse uma meta para ele, o livro teria ficado um pouco mais interessante. Mas, como é uma leitura para agradar todas as idades, eu acho que está de bom tamanho. Este livro não pode ser vendido, se você está interessado em ler, vá até a biblioteca do seu colégio e procure por ele, provavelmente o achará.

A minha parte favorita com certeza foi a do diálogo entre os bichos de pelúcia dele, que podiam ouvir os pensamentos do bebê.


“Primeira coisa: não fique aí todo orgulhoso por ter conhecido a realidade do parque. Não nos desdenhe, a Clock, Laa-Laa, Coelho ou a mim, por não vivermos no seu mundo real. Não nos menospreze por sermos movidos a imaginação. Nós temos nossa importância e durante os próximos anos seremos infinitamente mais interessantes que o mundinho real. Isso, enquanto você for criança. Depois, você vai virar adolescente. Aí você vai nos menosprezar e achar que éramos coisa de infância. Quando se tornar adulto, poderá enfim decidir o que fazer com a sua imaginação. A maioria ignora e pronto, mas esta será uma decisão pessoal sua. Caso queira voltar a nós, estaremos aqui. Porém, ainda é muito cedo para você se vangloriar com seu racionalismo. Assim, baixe a bola e trate de nos respeitar. É isso.” 

Esta parte com certeza me fez refletir, e aposto que quem ler o livro vai começar a refletir também. Essa ideia social de que ‘brincar é coisa de criança’ já está tão passada que me vejo assustada quando as pessoas que se dizem ‘totalmente abertas à novas experiências’ começam a fazer caras e bocas e dizer que tal brincadeira é muito infantil. Esquecem que não existe época para se divertir, para ser infantil e brincar, seja num parque com seu bebê, seja no colégio na aula de Educação Física, o que falta para o mundo ficar melhor é imaginação, gente pensando, imaginando um mundo melhor para que ele se realize. E essa foi essa a minha reflexão.
Tenham um bom dia, beijos!

Minha estante de livros

Oi oi gente, tudo bom?

Bom, hoje eu irei mostrar pra vocês a minha estante de livros. Não é nada grande, porque eu leio poucos livros em folhas, leio normalmente através de eBooks, que pra mim é a forma mais eficaz. Tô sem nada pra fazer: Baixo um eBook. É uma forma de economizar dinheiro e continuar tendo cultura e ocupando meu tempo quando não posso sair de casa para ir até uma livraria.

Minha estante fica do lado esquerdo da minha cama, encostada na parede. Minha cama é um beliche e a estante segue até a cama de cima.

 Esta é a minha estante. Eu tive que dobrar um pouco a imagem para caber tudo, ou ficaria cortado. Agora, vamos ver os livros:

Parte de cima:

Começando da esquerda para a direita

1. A Ilha Perdida – Maria José Dupré.
2. Cidade dos Ossos (livro 1) – Cassandra Clare. [Instrumentos Mortais]
3. Cidade das Cinzas (livro 2)- Cassandra Clare. [Instrumentos Mortais]
4. Cidade de Vidro (livro 3)- Cassanda Clare. [Instrumentos Mortais]
5. Cidade dos Anjos Caídos (livro 4) – Cassandra Claire. [Instrumentos Mortais]
6. A Sociedade Secreta da Bola de Cristal Cor-de-Rosa – Risa Green.
7. Os contos de Beedle, o Bardo – J. K. Rowling.
8. A Sétima Torre (livro 3) – Garth Nix
9. A Cidade das Sombras – Jeanne Duprau
10. A Floresta do Medo (livro 1) – Emily Rodda. [Deltora Quest]
11. Brisingr (livro 3) – Christopher Paolini. [Eragon]
12. Eldest (livro 2) – Christopher Paolini. [Eragon]
13. Eragon (livro 1) – Christopher Paolini. [Eragon]
14. Crepúsculo (livro 1) – Stephenie Meyer. [Crepúsculo]
15. Lua Nova (livro 2) – Stephenie Meyer. [Crepúsculo]
16. Eclipse (livro 3) – Stephenie Meyer. [Crepúsculo]
17. Fallen (livro 1) – Lauren Kate.
18. O Manual do Bruxo – Allan Zola e Elizabeth Kronzek.
19. A Maldição da Moleira – Índigo
20. O Ladrão de Raios (livro 1) – Rick Riordan. [Percy Jackson]
21. O Mistério de Sittaford – Ágatha Christie.


Parte de baixo:

22. Jogos Vorazes (livro 1) – Suzanne Collins. [Jogos Vorazes]
23. Em Chamas (livro 2) – Suzanne Collins. [Jogos Vorazes]
24. A Esperança (livro 3) – Suzanne Collins. [Jogos Vorazes]
25. Fallen (em inglês, livro 1) – Lauren Kate.
26. Harry Potter e a Pedra Filosofal (livro 1) – J. K. Rowling [Harry Potter]
27. Harry Potter e a Câmara Secreta (livro 2) – J. K. Rowling [Harry Potter]
28. Harry Potter e o Cálice de Fogo (livro 4) – J. K. Rowling [Harry Potter]
29. Harry Potter e a Ordem da Fênix (livro 5) – J. K. Rowling [Harry Potter]
30. Harry Potter e o Enigma do Príncipe (livro 6) – J. K. Rowling [Harry Potter]
31. Harry Potter e as Relíquias da Morte (livro 7) – J. K. Rowling [Harry Potter]

A caixinha da direita é o local onde eu guardo meus marcadores de livro, que eu irei mostrar em outra postagem, em breve.

Faltam ainda alguns livros que eu pretendo comprar. O livro 3 do Harry Potter eu emprestei e ainda não recebi, portanto, não está na lista. A lista dos livros que eu quero comprar e que não podem faltar vão estar em uma página do blog.

Beijos, até logo!

Resenha: Jogos Vorazes – Livro 1

2013-12-27 20.10.25

 

Nome original:The Hunger Games

Ano: 2012

Escritora: Suzanne Collins

Editora: Rocco

Páginas 397

Saga a que pertence: Jogos Vorazes

A primeiríssima resenha, também sendo o post de estréia do blog será sobre o primeiro livro de uma trilogia inebriante e que me pegou desprevenida, me fazendo simplesmente mergulhar em um universo onde minha prioridade é decidir se quero que a Katniss fique com o Peeta ou com o Gale, e também descobrir como a Katniss vai conseguir sobreviver a todas as reviravoltas que acontecem em Panem.

 
2013-12-27 20.10.55

 

Juro que quando pensei em Jogos Vorazes pela primeira vez, o nome me lembrou a saga excruciante de Jogos Mortais, e me recusei a abrir sequer uma página quando passava em uma livraria. Certo dia, uma amiga minha comentou sobre o livro que eu até então detestava, e disse como a história era incrível e blábláblá. Eu, curiosa como sempre, questionei-a com a seguinte pergunta: – Este livro não é muito pesado? Ele não é como Jogos Mortais e tal? – Foi aí que ela caiu na gargalhada e disse que não, que era completamente diferente e disse que com certeza eu iria gostar. Sendo assim, confiei na palavra da minha amiga e decidi assistir o filme na internet antes de ver se queria mesmo o livro.

 

2013-12-27 20.16.56

 

Por alguns momentos minha consciência me disse para não assistir o filme, que estragaria o livro mais tarde e tudo mais, porém a curiosidade foi maior e assisti o filme de cabo ao rabo, simplesmente saltitando pela casa quando os créditos chegaram, pois os momentos de ação eram tantos que a adrenalina no meu sangue não conseguia me deixar parada. Quando uma ocasião especial chegou, pedi à minha madrinha me dar o livro, e não é que ela me deu os 3?! Pois é, o mínimo que eu pude fazer foi, em menos de um único dia, terminar de ler o livro. Agora, estou no terceiro, porém vou dizer exatamente o que achei da primeira belezinha.

 

F-A-N-T-Á-S-T-I-C-O! Soletro para dar ênfase, porque não encontro palavras para explicar o que senti quando li esse livro, os arrepios, a revolta, e minha torcida Team Peeta, desculpe pessoal. É praticamente impossível eu explicar o que achei do livro sem dar spoilers, porém irei me esforçar ao máximo para que mesmo quem não tenha lido o livro possa ler esta postagem aqui.

 

2013-12-27 20.20.08

 

Tudo ocorre depois que a América do Norte é destruída, mas ninguém entra em grandes detalhes do acontecido. No local onde ela estava, surge um país chamado Panem, comandado pela cidade chamada Capital, que tem seu poder sobre 12 distritos. Antigamente, houveram os Dias Escuros, quando os 12 distritos e mais 1 (chamado distrito 13) se rebelaram contra a Capital. Os distritos se rendem, exceto o distrito 13, que é exterminado, após isso, é decretado que todo ano, todos os distritos deverão ceder um tributo masculino e um tributo feminino entre 12 e 18 anos (que serão escolhidos através de uma colheita anual) e deverão entrar em uma arena e combater uns aos outros até que reste apenas um, que será o grande vitorioso. Na colheita do septuagésimo quarto ano, o distrito 12 tem Primrose Everdeen e Peeta Mellark como seus tributos. Porém, a irmã de Prim, Katniss, se oferece como tributo para salvar a irmã mais nova. Sendo assim, Katniss e Peeta são colocados na arena com mais 22 outros tributos. Tudo pode ocorrer desde o momento da colheita até o momento em que eles são colocados na arena de combate, desde declarações amorosas até desfiles em carruagens com roupas que simbolizam cada distrito. Tudo o que eu posso dizer é que Suzanne Collins conseguiu com que uma história fictícia se transformasse em uma grande realidade que já aconteceu no mundo, como no período Romano, com a prática dos Gladiadores no Coliseu, e a ideia do ”pão e circo” serem introduzidas na prática, e principalmente, ao usar a narração em primeira pessoa, mostrar os pensamentos de Katniss, tudo o que ela pensa, de forma que temos ciência que isso não é um entretenimento, e sim uma prática sem coração, que coloca pessoas completamente inocentes para se matarem para que todo o resto do povo lembre-se, ao ver as gravações, de que eles são meros peões em um tabuleiro.

 

2013-12-27 20.22.12
Por fim, apenas posso dizer o meu agrado em relação ao livro, em como Suzanne Collins tem uma mente fantástica e que estou animada para continuar escrevendo resenhas sobre os próximos livros da série. Como vocês podem ver na imagem acima e abaixo, a diagramação brasileira é ótima, assim como a americana. As letras são grandes e bem espaçadas, e os livros são lindos. Apesar de a edição brasileira não ser em capa dura, ela não deixa a desejar na qualidade!
2013-12-27 20.23.12